Facebook

Banhos de assento

Banhos-de-assento2.jpg Zlatko Kostic - RF - Thinkstock

O banho de assento é restrito à região pélvica e aos quadris. No geral é frio, mas também pode ser utilizado quente, ou alternando as temperaturas. Quem possui uma banheira, tem o trabalho facilitado, mas se não, uma bacia grande onde possa acomodar-se, resolve facilmente a situação. É usado no tratamento de várias condições, sendo um método caseiro muito antigo.

É utilizado para tratar a inflamação, ou aliviar a dor nos órgãos genitais, mas também estimula a circulação sanguínea, se quente. Mas pessoas com hemorróidas, por exemplo, só podem tomar o banho de assento frio. Um detalhe é que entre os naturopatas é conhecido como um verdadeiro rejuvenescedor da região pélvica. Também é recomendado para fortalecer o abdômen e a coluna vertebral.

Usando a água numa temperatura entre 12 e 15 graus, favorece a desintoxicação do organismo, alivia problemas com períodos menstruais difíceis, alivia a hemorroida, promove uma digestão ativa, e atua como uma espécie de tônico, fortalecendo o corpo por inteiro.

Quem tiver disposição, poderá fazer o banho com a água em 10 graus. O tempo deve girar entre 3 e 10 minutos, seguindo uma repetição média de 2 ou 3 vezes na semana.

Banhos-de-assento3.jpg Digital Vision. - RF - Thinkstock

Se a pessoa tiver pouca resistência ao frio, poderá fazer o banho com as temperaturas alternadas. Providencie uma bacia com água quente, ou morna, e outra com água fria. Comece com a água quente, permanecendo entre 3 e 4 minutos, e depois passe para a fria, onde deverá ficar entre 2 e 3 minutos. Permaneça entre 3 e 4 períodos em cada temperatura.

O segredo destes banhos é a disciplina. Só verá resultados se conseguir construir o hábito de fazê-los. Se quiser realmente usufruir dos benefícios, reserve de maneira antecipada o tempo que dedicará a esta prática, que claro, pode ser feito em seguida ao banho normal, ou antes de dormir. Um fato é certo: A maioria das pessoas que se habituam aos banhos de assento já não podem mais viver sem eles. 

Artigos recomendados

0 Comentários

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.